Esporte - Gestão de segurança de percurso


Entrevistamos o Comandante Oceânico Ricardo Machion, responsável pela segurança de percurso do Aloha Spirit Festival para saber um pouco mais sobre a estrutura que garante a navegação segura de todos os atletas, confiram todos os detalhes desse universo a seguir;

Um Homem do Mar: conte-nos sobre a sua relação com a segurança de navegação.
Ricardo Machion: como navegador, iniciei minha formação no iatismo, onde, por estar em competição todo tempo, tínhamos que navegar sob qualquer condição, normalmente com ventos de grande intensidade em raias de 1.500 a 1.800mts e entrando em boias muitas vezes com mais 5 ou 6 embarcações à vela, então pensar rápido para que tudo aconteça em segundos e com segurança sempre fez parte do meu dia a dia.

Um Homem do Mar: você já passou algum momento difícil, já afundou?
Ricardo Machion: sempre que você solta os cabos e deixa o cais você está em risco, navegadores oceânicos não estão isentos de acidentes de qualquer tipo, muitos de nós são treinados para navegação em condições extremas, mas como disse, por estarmos em condições extremas, sabemos que os riscos são proporcionais. Já passei momentos desconfortáveis em locais aparentemente seguros, mas como sempre consegui sair das situações sem maiores dificuldades, não os considero difíceis, pois foram situações de navegação e não acidentes que pudessem oferecer o risco de um naufrágio por exemplo.

Um Homem do Mar: a segurança de navegação é um trabalho preventivo certo?
Ricardo Machion: remo em pranchas á quase trinta anos e tenho uma certa intimidade com esses equipamentos com mais de 3 metros, logo que o Stand Up Paddle foi se multiplicando, identifiquei que muitos que ingressavam, ao contrário do que se imagina, não conhecem os riscos mais básicos a que estão expostos. Esteticamente é uma prancha, mas em termos de navegabilidade, considero uma embarcação.
Um volume muito grande de praticantes rema fora da área de recreação e isso implica em conhecimentos de navegação para sua segurança, por isso passei a ensinar nas clínicas e eventos as técnicas de navegação aplicadas ao stand up paddle e canoas.

Um Homem do Mar: num evento como o Aloha Spirit Festival como funciona a segurança dos atletas?
Ricardo Machion: uma boa parte dos atletas tem algum tipo de experiência com eventos aquáticos, mas o alinhamento é sempre por baixo, pois não é possível analisar com exatidão a capacidade individual, até porque normalmente é uma largada só para todas as categorias, muitas vezes largam algumas centenas de atletas de uma só vez e esse pelotão, normalmente quando a elite já está alcançando a primeira boia, alguns atletas ainda estão praticamente deixando a linha de largada. Esse grande grupo em qualquer das categorias é sempre assistido à uma distância de segurança por uma equipe com várias embarcações com funções específicas, algumas são guias, outras para recolhimento de atletas, algumas para atenção especial que é o caso do paratleta e as chamadas embarcações rápidas que circulam o pelotão de remadores e se comunica visualmente com todas as outras, ajudando também em pequenos apoios dentro de sua área de atuação. Todo o contato é sempre visual, como todos os atletas devem usar os equipamentos básicos de segurança, colete e leash, sua preocupação é apenas com a remada, o resto fica por nossa conta.

Um Homem do Mar: as canoas havaianas também necessitam de cuidados de segurança?
Ricardo Machion: sim precisam e são as que estão realmente sujeitas á um naufrágio, são embarcações com uma capacidade de alagamento muito grande, mesmo com suas caixas estanques na proa (parte dianteira) e popa (parte traseira) necessitam de muitas técnicas de navegação e segurança como a execução rápida de um huli que é uma espécie de rolagem para desalaga-la e coloca-la novamente em curso de navegação. Dependendo das condições da remada, como no caso de mar aberto, um alagamento inesperado por uma onda por exemplo, pode rachar a canoa e afunda-la. Nosso monitoramento é intensificado nesse caso pois muitos remadores são treinados em água dura, como rios, lagos e lagoas e no mar a navegação com essas embarcações é totalmente diferente, inclusive porque existe o fator tráfego de embarcações, essas canoas são maiores que muitos barcos que navegam na área costeira e ter uma navegação planejada deve fazer parte dos conhecimentos dos remadores para sua autossuficiência e segurança.